Como fazer um catálogo de produtos atrativo?

Como fazer um catálogo de produtos atrativo?

A maioria das empresas nasce com a ideia de ofertar não apenas um, mas uma variedade de produtos e/ou serviços. Conforme o tempo passa, é comum que esse número aumente, conforme a demanda cresce.

Entretanto, muitos produtos podem enfrentar problemas de visibilidade; ou, ainda, muitos consumidores podem ficar confusos ao procurar pelo que querem na sua empresa. Existem ainda os momentos de expansão dos negócios, seja na busca de investidores ou apresentação a revendedores, onde ter um material gráfico organizado oferece praticidade e maior chance de fechamento de propostas.

Para resolver essas questões, o ideal é investir em um catálogo de produtos. Ele indicará todas as informações que o público precisa saber sobre seu produto, e o incentivará a adquiri-lo.

Neste artigo, descubra como fazer um catálogo de produtos atrativo e potencializar suas vendas.

O que é um catálogos de produto?

Trata-se de uma peça gráfica elaborada com fotos, textos, ilustrações e outros elementos que tem como principal objetivo apresentar aos diferentes públicos os produtos/serviços de uma empresa. Por esse motivo, desde o momento que os produtos são categorizados para entrar em um catálogo, até a impressão e distribuição merecem cuidado especial para que ele cumpra sua função.

Essencial para garantir que todas as informações estejam alinhadas com o objetivo e identidade da empresa, o design para catálogo utiliza ferramentas como a edição de fotos, organização do layout, seleção de cores e tipografia e outros elementos para criar a peça gráfica ideal.

Por que criar um catálogo de produtos?

Se você ainda está em dúvidas se este é o momento ideal para criar um catálogo de produtos para sua empresa, veja alguns pontos que podem te ajudar nessa decisão. O principal deles tem a ver com o custo benefício, ainda que a produção desse tipo de material gráfico, impresso ou digital, envolva uma atenção maior. Conheça algumas vantagens:

Visibilidade de produtos – assim como a vitrine de um ponto de venda ou e-commerce, o catálogo é utilizado para estratégia de marketing e vendas. Através dele, é possível revelar seus produtos e linhas, além de apresentar e/ou reforçar sua marca aos consumidores. É comum a utilização deste tipo de material para revendas.

Potencializar o valor agregado – Além do produto, o catálogo segue a identidade da marca e, de acordo com o nicho de mercado, é possível personalizar diferentes tamanhos, formatos de paginação, tipos de impressão, tipo de papel (se impresso) e etc. Trata-se de um espaço para exposição da trajetória da empresa, conceito de criação de produtos e etc.

Melhorar a organização e categorização – a organização de um catálogo auxilia a categorizar em linhas de produtos ou modalidades de serviço, bastante úteis quando é necessário realizar apresentação de propostas com descrição de informações técnicas. Os capítulos do catálogo podem ser divididos em linhas de produtos, utilidade e outras formas de categorização que facilitem a visualização dos produtos.

Aumentar o potencial competitivo – contar com um belo catálogo de produtos é um fator que ajuda a aumentar o diferencial competitivo. Além do caráter utilitário, esse material gráfico tem o potencial de encantamento através de um experiência sensorial.

Passo a passo para criar um catálogo de produtos

Chegou a hora de você aprender como colocar em prática, com algumas dicas para montar um catálogo mais atrativo e instigante para sua marca. Vamos lá!

O conteúdo é o início de tudo

A ideia do catálogo é, principalmente, vender mais. Para isso, é preciso ter o que vender. O primeiro passo em como fazer um catálogo de produtos atrativo é decidir o que será exposto nele. Organize-se e separe tudo que você precisará: a lista dos produtos/serviços, as informações sobre cada um, imagens e todo conteúdo extra que você achar válido incluir.

Ou seja, se quiser fazer um catálogo que possua a história da empresa, tenha esse material em mãos. Também é interessante que se produza uma introdução. Isso vale inclusive para catálogos digitais, pois passa credibilidade e confiança.

Escolha do formato

Para escolher o formato, alguns pontos devem ser observados. O primeiro deles é a quantidade de produtos expostos ao longo das páginas. É necessário ter atenção para que textos e imagens estejam distribuídos harmonicamente e não dificultem a visualização. Por isso, o tamanho não deve ser pequeno demais.

Quando impresso, a capa pode contar com um gramatura maior do que as páginas que compõem o miolo do catálogo, conferindo rigidez e durabilidade à página. Se for um catálogo digital, o formato permite que recursos interativos como links que podem levar a outras páginas, vídeos ou outras páginas do site de e-commerce, por exemplo.

Fotografias são fundamentais

Um dos materiais mais importantes a serem coletados na etapa anterior são as fotografias dos produtos. Elas vão constituir boa parte do catálogo, e darão toda a “cara” dele e do que está sendo vendido. Portanto, invista nelas o quanto for possível. Elas devem ter ótima qualidade técnica (ou seja, terem sido tiradas profissionalmente), e também estética – análise a composição da imagem. A resolução das fotos deve ser máxima, para quando forem inseridas no catálogo, não percam qualidade por distorções ou fiquem pixeladas.

Se você não tiver conhecimento o bastante sobre fotografia, considere contratar um profissional. Eles não só terão o equipamento como também saberão compor a imagem corretamente, com o conteúdo, as formas e as cores em harmonia.

Descrever os produtos de maneira correta

Depois da imagem, a próxima coisa que os clientes verão no catálogo é a descrição do produto/serviço. Ela deve conter todas as informações relevantes, é claro, mas também deve ser objetiva e direta. Ninguém consegue acessar ou folhear um catálogo esperando grandes leituras, mas sim esperando receber dados claros e objetivos sobre o que está lá.

Esse é um dos fatores mais importantes sobre como fazer um catálogo de produtos atrativo. Descreva-os sucintamente, indicando todos os benefícios e características, e não esqueça de incluir também as informações técnicas. O cliente se sentirá informado, sanará suas dúvidas e se sentirá compelido a adquirir o produto.

A importância do layout

Mais uma dica sobre como fazer um catálogo de produtos atrativo é sobre o layout. Se as fotos são importantes para a demonstração do produto, o layout é importante para a demonstração da empresa em si. De nada adiantam boas imagens, porém mal posicionadas, escondidas ou poluídas visualmente por conta de um design inadequado.

Para vender mais, você deve agradar visualmente o seu público. No caso das fotos, você talvez até consiga resolver sozinho; mas é bem mais complicado quando se trata de design. O ideal é procurar ajuda profissional de uma agência de design gráfico. Cada elemento, cor, diagramação e posicionamento será pensado visando o seu sucesso.

Tipos de Catálogos de Produto

Inovação é um ponto importante para conseguir criar um catálogo de destaque que cumpra seu principal objetivo de conquistar quem recebê-lo em mãos ou acessá-lo virtualmente. De acordo com as necessidades, listamos alguns tipos de catálogos para cada ocasião.

Apresentação corporativa – esse tipo de peça gráfica serve como uma espécie de portfólio para apresentação dos produtos e serviços da sua empresa durante reuniões, feiras, congressos e outros tipos de eventos. Esse tipo de uso permite demonstrar profissionalismo, criar aproximação com futuros clientes, representantes e até mesmo investidores, quando necessário. Nesse caso, além dos produtos, é necessário que o catálogo contenha informações gerais sobre a empresa, como um breve histórico e formas de contato. Já em situação de apresentação para investidores, é possível inserir ainda informações técnicas sobre a empresa, relatórios, balanços e gráficos que deem suporte a uma apresentação completa e dinâmica.

Lançamentos de linhas novas – na ocasião do lançamento de uma nova linha de produtos, o catálogo de produtos é um item complementar que pode fazer toda a diferença para apresentação ao clientes, podendo ser distribuído durante eventos no ponto de venda ou mesmo oferecido à veículos de imprensa em press kits. O cuidado com a produção desse material com relação ao conceito da marca e sazonalidade também são pontos importantes para garantir a viabilidade.

Catálogo virtual de produtos – em tempos de conversão digital e acesso do mundo através de telas, os catálogos virtuais são alternativas cada vez mais comuns aos catálogos impressos. Os recursos interativos podem ser explorados para que o acesso seja dinâmico e o formato pode fazer parte de uma área do site, sem necessidade do formato de paginação tradicional ou inseridos em PDF. Esse tipo de catálogo também pode representar uma economia, já que muitas vezes os custos com impressão podem ser altos, além de estar alinhado ao posicionamento sustentável, cada vez mais comum nas empresas. Com um arquivo digital, fica mais fácil o compartilhamento e alcance de público, que pode acessá-lo quando e onde quiser.

Dicas de design para criação de catálogos

Todo projeto precisa de uma orientação para que o resultado final seja adequado às propostas e necessidades. O design gráfico é uma ferramenta valiosa para ajudar a alinhar todos os elementos citados anteriormente na diagramação para catálogos, afinal, de pouco adianta ter fotos boas se elas não estão ajustadas corretamente para o formato das páginas. Que tal algumas dicas de design para catálogos? Entenda como aplicá-las corretamente ao criar o seu.

Identidade Visual – cores, logotipo, tipografia e ícones são alguns dos elementos gráficos responsáveis pela comunicação visual de uma marca ao mercado. A identidade visual, portanto, deve estar presente em todos os materiais gráficos, inclusive, no catálogo de produtos. Criatividade é diferencial e deve ser utilizada em conjunto com todos esses elementos, a fim de criar uma identidade para o catálogo e fazer com que os produtos sejam associados a sua marca. Para categorizar por linhas de produtos, utilizar cores diferentes, mas que façam parte da identidade visual ajuda na marcação de páginas e da capa, por exemplo.

Diagramação e layout de catálogos – a diagramação das páginas de um catálogo deve ter como foco a harmonia entre imagens e textos e espaços em branco, alinhamento de parágrafos e destaque para os títulos. Aqui, vale uma dica importante: por ser uma peça gráfica essencialmente visual, os textos não devem ocupar muito espaço nas páginas.

Apresentação dos produtos – protagonistas do catálogo, os produtos merecem destaque e as fotos devem estar em alta qualidade. O ideal é contar com fotografias feitas em estúdio ou por um profissional. O fundo branco ajuda na hora da edição, sendo possível realizar recortes especiais. Dependendo do tipo de produto, é possível criar cenários no estúdio e utilizar os elementos gráficos da diagramação complementando o layout. Durante a edição das imagens, também é possível criar filtros, corrigir iluminação e contraste para conquistar um resultado final mais atrativo.

Impressão – para cada formato seja em livreto ou encadernação, a paginação deve ser dimensionada para que não ocorram problemas. A escolha do papel para impressão varia de acordo com o formato e acabamento desejado. Durante o fechamento do arquivo, o designer responsável pela criação do catálogo deve ter atenção ao formato de cores para impressão (CMYK). É importante que a impressão de catálogos, assim como outras peças gráficas, seja feita apenas após a revisão final do arquivo. O acabamento pode ser feito com aplicações de diferentes texturas (fosco, brilhante, laminação, verniz), sobre detalhes da capa e nas fotos.

Distribuição ao público alvo – é comum que a distribuição de catálogos seja feita em pontos de venda ou enviadas diretamente para os clientes através de malas diretas. Nesses casos, pode-se criar uma embalagem especial personalizada com a identidade aplicada ao catálogos. Além de agregar valor ao catálogo, o impacto desse detalhe pode ser extremamente positivo para a lembrança da marca.

Que tal começar agora mesmo?

Viu só como o catálogo de produtos é essencial não apenas para mostrar produtos, mas também para agregar valor a uma marca? Seja impresso ou digital, a qualidade é elemento primordial na hora de criar um projeto gráfico que encante o público.

A diversidade de formatos, materiais para impressão e organização de informações são alguns dos fatores que influenciam nessa qualidade. Conheça alguns dos trabalhos produzidos pela BST Design e se inspire com nosso portfólio de catálogos de produtos.

Como fazer um lançamento de produto?

Como fazer um lançamento de produto?

Estratégia essencial para criar reconhecimento de uma marca, o lançamento de produto, está entre as principais ações de uma empresa que deseja apresentar ao mercado seu portfólio.

A decisão de lançar um produto de novidades ou reformulação de uma linha, necessita de um planejamento bem orquestrado para que todo trabalho tenha um retorno positivo e seja rentável.

Desde a pesquisa de mercado até o evento de lançamento, todas as ações das equipes de comunicação, marketing e vendas precisam estar alinhadas aos objetivos da empresa. Descubra, a seguir, como fazer um lançamento de produto de sucesso:

Defina o posicionamento da marca

Independente do nicho de mercado, porte da empresa ou perfil do cliente, a conexão com o consumidor desde a sua atração até a fidelização, são essenciais para criar identificação com um produto ou marca.

Por esse motivo, o investimento na imagem da marca se tornou necessário para empresas que desejam ter alcance e conquistar seu público. O posicionamento, portanto, é uma das maneiras de transmitir e agregar valores essenciais ao produto e, por consequência, influenciar na decisão e preferência de compra.

Diante da concorrência, esse é um fator de diferenciação e destaque para quem deseja lançar um produto e deve estar presente em todo o planejamento.

Crie um plano de vendas

Ferramenta da área comercial, o plano de vendas é uma orientação para definir quais são passos para inserção de um produto no mercado.

Esse plano leva em conta o reconhecimento e segmentação do público alvo, custos e precificação de um produto na prateleira, análise sobre os concorrentes e estratégias de como eles podem ser superados dentre outras variáveis.

Pensando nos custos para lançar um produto, é preciso colocar na ponta do lápis as ações que darão visibilidade e farão com que o consumidor reconheça o seu produto no mercado.

Desenvolva estratégias de marketing

As estratégias de marketing são responsáveis por intermediar a marca e o consumidor final. Além das vendas, o relacionamento com o cliente é de extrema importância nesse momento e influencia diretamente na decisão de compra.

Para ter uma marca forte, é preciso construir uma imagem que sustente o posicionamento e o valor agregado. Na prática, o plano de marketing e comunicação para lançamento de um produto, tem como foco definir quais são os canais de mídia, formatos e linguagem de anúncios, ações no ponto de venda, identidade visual do produto, dentre outras iniciativas que busquem o melhor custo benefício para a empresa.

Invista em embalagens impactantes

Falamos sobre a imagem da marca e nesse quesito a comunicação visual é protagonista. O estímulo sensorial marcante conta muito na experiência do cliente. Também parte das estratégias de marketing, a criação de embalagens inovadoras e atraentes deve estar no check list de um lançamento de produto.

Além das funções de armazenamento e transporte de produtos, as embalagens são uma ferramenta poderosa para criar a conexão com os consumidores. Para isso, é preciso combinar cores, tipografia, ícones, informações do rótulo e outros elementos. Para realizar essa tarefa, confira algumas ideias de design podem ajudar a escolher a embalagem ideal.

Como combinar comunicação interna e endomarketing?

Como combinar comunicação interna e endomarketing?

O relacionamento com o público interno de uma empresa, independente do seu porte ou setor de mercado, reflete diretamente nos números de produtividade e, consequentemente, lucratividade.

Comunicação interna e endomarketing refletem diretamente o posicionamento de mercado de uma empresa são alinhados para promover a cultura organizacional de uma empresa. E como você pode adequar isso a realidade da sua empresa?

Algumas ações são essenciais para conquistar o engajamento dentro e fora do ambiente de trabalho. Para colocá-las em prática, é necessário entender que não é necessário ações que demandem orçamentos faraônicos.

Saiba como combinar comunicação interna e endomarketing para sua empresa, otimizando recursos em busca de resultados mais assertivos. Veja só!

Brand workshops

Eventos como workshops, treinamentos e palestras são exemplos de ações para marketing interno. O feedback de colaboradores é fundamental para alinhar o branding, ou gerenciamento de marca, aos valores transmitidos a eles e por eles a outros públicos .

Eventos motivacionais e brand workshops contribuem para a identificação do público interno aos valores de uma empresa através da marca. Realizando este tipo de ação periodicamente, é possível conquistar um melhor engajamento através da valorização da marca por este público.

Tv Corporativa

A informação sobre o que acontece na empresa é uma das principais ferramentas estratégicas para engajar colaboradores e a tv corporativa é um dos canais efetivos para se comunicar internamente, através de conteúdos em formato audiovisual que estejam alinhados a cultura da empresa.

Esses conteúdos necessariamente precisam ser exibidos em uma tela instalada na empresa. Os vídeos institucionais podem fazer parte de um canal no Youtube e outras rede sociais, por exemplo. O mais importante aqui é a utilização de um canal de comunicação direto, com fácil compreensão e acesso e altamente atrativo.

Rede Social Corporativa

As redes sociais corporativas tem um grande impacto nas ações endomarketing pois tem forte apelo para interação através de postagens, chats e outros recursos multimídia. Alinhadas ao discurso e valores da empresa, elas também podem ser utilizadas como canal de comunicação interna.

Além de ser um espaço de compartilhamento de informações sobre a rotina dos colaboradores da empresa, as redes sociais corporativas contribuem para a redução de ruídos e distorções e integram diferentes setores.

Newsletter corporativa

Newsletter nada mais são do que e-mails que reúnem assuntos de um determinado período e que sejam relevantes a um público. No ambiente corporativo, trata-se de uma ferramenta eficiente para comunicação interna e endomarketing, podendo ser utilizada tanto para campanhas quanto para informativos.

O segredo de uma boa newsletter corporativa é torná-la atrativa, com conteúdos que realmente instiguem com que o seu público interno se interesse em consumir. Nesse sentido, temos a qualidade visual como fator importante e, por isso, todos os elementos devem estar alinhados a identidade visual da empresa.

Materiais gráficos institucionais

Os materiais gráficos para comunicação interna também podem ser utilizados em conjunto com as ações de endomarketing, uma vez que promovem a marca da empresa em sua elaboração.

Sejam eles online ou offline, materiais gráficos institucionais devem conter a identidade visual da empresa e podem assumir diversos formatos como itens de papelaria, banners impressos ou para sites e redes sociais e até mesmo brindes.

Tanto quanto a qualidade de impressão quanto o design desse tipo de peça gráfica merece atenção especial para garantir um material funcional. Conheça o portfólio da BST! Design e veja alguns exemplos de soluções em comunicação corporativa.

Materiais para promover a Cultura Organizacional

Materiais para promover a Cultura Organizacional

Uma empresa sem cultura organizacional pode até funcionar, e esse é o cenário mais comum, mas o alinhamento de equipes, conceitos e objetivos fica falho, o que gera problemas variados. Promover a cultura organizacional é relativamente simples. O primeiro passo, com certeza, é alinhar o que forma a cultura, entre políticas, hierarquia, regras, valores, propósito, etc.

O exemplo deve partir de cima, de forma que o fundador e as diretorias sempre valorizem e respondam de acordo com as definições da cultura. É possível, periodicamente, reavaliar esses pontos e atualizar o que for condizente com novos ares da empresa. Também é interessante promover eventos internos para apresentar a cultura e todas as mudanças que ela sofrer.

Complementando essas ações, é interessante investir em materiais gráficos ou digitais para fazer uma comunicação mais direta com os funcionários. Conheça agora algumas opções de materiais para promover a cultura organizacional.

Mural

Ou jornal mural, é uma peça gráfica com ótimo custo-benefício. O mural tem a vantagem de ser aplicável em diversos ambientes, desde escritórios até o chão de fábrica. Pelo limite de espaço, as informações devem ser sucintas e objetivas, sempre contando com uma boa diagramação e distribuição de textos e imagens de qualidade. É importante que as peças sejam bonitas, convidando o leitor a chegar mais perto e consumir, de fato, o conteúdo do mural.

Esse material pode seguir uma certa periodicidade, dependendo da percepção sobre o público e a rotatividade de notícias. Como uma peça impressa, é importante oferecer um abrigo sobre onde ele será afixado ou investir em proteções acrílicas.

Newsletter

É o canal de contato mais rápido e barato quando o público tem acesso ao e-mail. A newsletter segue uma periodicidade e entrega para o colaborador informações relevantes e até mesmo links para outras páginas, entre notícias, postagens de intranet, possíveis benefícios, uma programação cultural, entre outros.

Deve ser bem diagramada e ainda adequada para visualizar em desktop e em smartphone.

Banners

São materiais gráficos maiores e mais caros, por isso não competem diretamente com o mural, por exemplo. O banner geralmente é feito para campanhas ou eventos mais pontuais, ou ainda para ações que duram mais tempo ou estão previstas para acontecer novamente.

Geralmente impresso em vinil, é importante ter atenção ao design e às informações aplicadas na peça. Os banners, inclusive, são peças de decoração e materiais para treinamentos e campanhas de endomarketing.

Papelaria

Aqui estão inclusos materiais como blocos de anotação, canetas, pastas, agendas, calendários e outras tantas peças gráficas personalizadas. Apesar de não serem os meios mais adequado de comunicação, são elementos sutis para trabalhar a identidade da empresa. Além de logotipo, é interessante incluir slogan ou outra mensagem sempre que houver espaço. Itens de papelaria também podem complementar campanhas, reuniões e treinamentos.

Revista

Uma revista corporativa não é um projeto barato, mas é muito interessante e atrativo considerando todo o significado por trás do item. Como, aqui, se somam custos com produção, diagramação e impressão, é possível apostar nessa mídia apenas em ocasiões especiais, como aniversários da empresa, mudanças na cultura, novas políticas, etc.

O material deve trazer conteúdos relevantes, afinal o investimento é alto e o público precisa receber algo além junto da revista: informação. Edições comemorativas da revista podem, inclusive, ser distribuídas para públicos como os parceiros, investidores, clientes estratégicos e afins.

Promover a cultura organizacional, muitas vezes, vai precisar da combinação de comunicação interna e endomarketing. Saiba como integrar essas estratégias em nosso artigo.

4 benefícios da comunicação interna

4 benefícios da comunicação interna

Muitos formatos de empresa e modelos de gestão podem colher os benefícios da comunicação interna. Como ferramenta aliada à gestão de pessoas, a comunicação feita entre e para os colaboradores é essencial para valorizar mais o fator humano em uma companhia, considerando as mídias e canais disponíveis.

A comunicação interna utiliza a linguagem jornalística para alcançar setores e grupos variados de funcionários através de opções como a intranet, os aplicativos e redes corporativos, o jornal mural, rádio e televisão, revistas corporativas, comunicados e outros.

Um ponto de consideração é que a comunicação interna tem um bom custo-benefício, com foco nos resultados a médio e longo prazo. Ainda existe a possibilidade de combinar diversos formatos de texto, imagem, ilustração, gráficos e vídeo nessa estratégia.

Conheça agora quais são os principais benefícios da comunicação interna em uma empresa.

Trabalha a motivação

É essencial trabalhar a motivação das equipes considerando a produtividade, o engajamento e as entregas de setores da empresa. Funcionários motivados “vestem a camisa” da empresa, o que também pode ser trabalhado com campanhas e ações de endomarketing.

A motivação é importante para melhorar o clima organizacional, o que deixa o ambiente de trabalho muito mais colaborativo e confortável. Motivados, os colaboradores podem produzir mais, e a empresa vende mais. Também há uma diminuição no número de faltas e na rotatividade de contratações.

Os próprios colaboradores podem produzir materiais para a comunicação interna, considerando quadros participativos com comentários, fotos, campanhas de engajamento, etc.

Alinha setores

Uma empresa grande, com muitos setores e, às vezes, endereços em diferentes localizações, pode ter problemas por falta de comunicação e falhas nos processos. Esses problemas podem ser pequenos e facilmente reparáveis, como também podem causar desequilíbrio e até trazer prejuízo financeiro.

A comunicação interna, principalmente através de comunicados e avisos via e-mail, pode alinhar informações indispensáveis para a boa operação da empresa. É através dos canais internos, inclusive, que uma empresa pode atingir rapidamente todos os seus setores e funcionários. Mudanças na direção ou gerência, datas especiais, normas e políticas internas, avisos importantes e outros conteúdos viajam mais rápido e deixam todas as partes do processo cientes e prontas para responder.

Define objetivos

Objetivos e metas da companhia são itens que devem estar devidamente esclarecidos e divulgados entre os colaboradores. A comunicação interna faz isso justamente ao alcançar as equipes e também dar espaço para que cada uma se manifeste. Objetivos da empresa, a exemplo da visão organizacional, precisam ser divulgados e mantidos como um alvo para que todos setores contribuam com sua parte.

Fortalece a cultura

A cultura organizacional é uma grande beneficiada pelas estratégias de comunicação entre empresa e funcionários. Como já foi citado nos pontos anteriores, a comunicação interna serve como um canal de contato próximo aos colaboradores, capaz de distribuir informações essenciais com relevância e de forma oficial – importante para evitar rumores e desentendimentos.

Considerando que a cultura de uma empresa é composta pelos conceitos de missão, visão, valores, posicionamento, propósito e políticas, a comunicação interna é uma ferramenta intrínseca a ela. Só assim é possível alinhar todos os times com as mesmas definições.

Ambas devem andar lado a lado, explorando diferentes formatos e canais para alcançar o público interno. Conheça ainda quais são os materiais possíveis para promover a cultura organizacional.

Cultura Organizacional: o que é e como promover

Cultura Organizacional: o que é e como promover

Uma empresa não atende aos clientes e, consequentemente, não tem finalidade (lucrativa ou não) se sua cultura não estiver bem definida, organizada e divulgada. A cultura organizacional é um elemento essencial da administração, gestão de pessoas e toda a comunicação de uma empresa.

Sendo que a cultura, no geral, se refere ao que um grupo de pessoas toma como caráter ou comportamento, a cultura de uma organização também parte dessa premissa. Neste artigo, você poderá compreender o que é cultura organizacional, qual a sua importância e como promovê-la.

O que é a cultura organizacional?

Funcionários da Disney, dos parques ou dos estúdios, seguem uma série de comportamentos recomendados para interagir com o público, aumentar a felicidade e a criatividade, além de contribuir com experiências especiais conforme a “magia” da empresa. Tudo isso é promovido e distribuído graças à cultura organizacional, que documenta e estimula quais são os comportamentos esperados de seus colaboradores.

Mas atenção! A cultura não é a mesma coisa que o clima organizacional. O clima de uma empresa é a percepção e avaliação que os funcionários fazem sobre a companhia, considerando relacionamentos, benefícios, políticas, gestão e outros fatores.

A cultura organizacional contempla regras, hierarquias e princípios éticos, além do conjunto essencial de missão, visão e valores.

Como ela é formada?

A base da cultura, que também é chamada de plataforma da marca, é formada junto com as definições de missão, visão e valores, além de posicionamento e propósito da marca. Isso pode partir dos fundadores e gestores, logo no início da empresa, ou então reunir um conjunto de características que surgiram naturalmente durante a operação. A cultura organizacional é relevante não só internamente, mas também para todos os stakeholders de uma marca, a exemplo da própria Disney que atende turistas, crianças, artistas, jornalistas, o governo, etc.

Trabalhar a cultura organizacional melhora o clima, diminui a rotatividade e aumenta o engajamento e a produtividade dos colaboradores, além de alinhar a comunicação e os objetivos de todos setores.

Cultura organizacional e comunicação interna

Sabendo que a cultura alinha a comunicação, esse processo também acontece de forma inversa: a comunicação interna orienta e promove a cultura. Comunicação interna é uma estratégia própria para comunicar novidades, campanhas especiais, entrevistas, comunicados e relatórios e outras possíveis notícias de uma empresa, apenas para seus funcionários.

A comunicação interna se dá por forma de listas de e-mail, intranet, jornal mural, revista corporativa, entre outras mídias. Quando a cultura organizacional já está definida, a comunicação deve estar alinhada a ela e distribuí-la aos colaboradores. Quando a cultura vai ser implementada, as mídias de comunicação interna trabalham para divulgar suas definições, benefícios, diferenciais e outras novidades.

Como a cultura é um guia sobre políticas, linguagem, valores e posicionamento da empresa, toda e qualquer comunicação feita pela empresa precisa ser direcionada por esses fatores. Os funcionários de parques da Disney, novamente, nunca poderão desmontar a magia ao atender o público, sempre entrando na brincadeira.

Como promover a cultura?

A melhor forma de promover a cultura organizacional é combinar os canais de comunicação da empresa com um posicionamento claro e motivador por parte das gerências. É necessário promover encontros e treinamentos para alinhar os hábitos da empresa. Novos funcionários devem ser orientados por colegas e também por manuais da organização.

Como a cultura representa um grupo de pessoas, é necessário engajar todos os níveis de funcionários e dar exemplo positivo. Aproveite para conhecer quais são os melhores materiais para promover a cultura organizacional.

Como usar adesivos na comunicação interna

Como usar adesivos na comunicação interna

Uma empresa não se comunica só com um público. Além de criar ações promocionais, relacionamentos e pegar ideias com os clientes, a comunicação interna é essencial para conseguir os mesmos resultados junto aos seus funcionários.

Comunicação interna trabalha com meios de contato para levar informações e campanhas apenas a esse público de colaboradores, independente de setor ou localização. Essa estratégia pode não fazer muito sentido para empresas pequenas, mas de alguma forma essa comunicação precisa ser trabalhada.

Elementos já conhecidos da comunicação interna são o jornal mural, as revistas corporativas, os comunicados, a intranet, a newsletter, entre outros. O formato é variado mas o objetivo é sempre o mesmo: levar informações relevantes sobre a empresa e também sobre saúde, cultura, educação e segurança no trabalho.

Mais do que comunicar para os funcionários, é importante agregar com conteúdos atrativos para sua qualidade de vida, que melhora o rendimento e produtividade na empresa.

Os adesivos são materiais gráficos versáteis e baratos, que podem ser incluídos na comunicação interna com diferentes formatos e alvos. Conheça agora algumas formas de usar adesivos em sua empresa.

Decoração

Talvez essa seja uma das formas em que o adesivo é mais usado, sob diferentes superfícies e materiais. Na decoração em si, pouca coisa é trabalhada no sentido informativo da comunicação interna. Para usar os adesivos com esse objetivo, é interessante encontrar pontos estratégicos da empresa para fazer a aplicação desse material.

Os adesivos, por exemplo, se popularizaram no que chamam de “envelopagem” de geladeiras. Também são usados em paredes para decorar com ilustrações ou com a própria marca da empresa. Mesas, portas e janelas também aceitam bem os adesivos.

Para ter sucesso aqui, é importante escolher bons materiais e boas gráficas para impressão de qualidade nos adesivos. A durabilidade é o que garante o custo-benefício atrativo para usar adesivos na comunicação interna.

Etiquetas

Adesivo simples mas com bastante uso na comunicação interna, justamente por remeter às correspondências. É interessante aplicar a identidade visual da empresa em um formato padrão de etiquetas, com campo aberto para trocar nomes, endereços e outros itens em texto conforme o funcionário ou setor que irá utilizar.

Também podem ser criadas etiquetas de identificação para participantes e de sinalização para eventos, palestras, treinamentos, etc. O material mais indicado aqui é o papel adesivo, mais acessível e também de fácil personalização.

Sinalização

Uma ideia que usa os adesivos para comunicar alertas, sinais de segurança e também pontos de interesse dentro da empresa. Um exemplo muito básico são os adesivos de atenção em portas de vidro, evitando acidentes entre os mais desatentos. Também podem indicar salas específicas, o que pode ser feito com a adesivagem de portas e elevadores.

Também podem assumir formato mais criativo, adesivando escadas com mensagens de incentivo à prática de atividades físicas ou indicando os cuidados necessários na copa da empresa, por exemplo. Nesses formatos, é importante resumir as informações textuais e usar elementos ilustrativos para atrair o olhar.

Sabendo como usar adesivos na comunicação interna, conheça agora 4 tipos de acabamento para seus materiais gráficos.

Backdrop: o que é e quando usar

Backdrop: o que é e quando usar

Eventos não estão completos sem uma boa decoração, iluminação, cenografia e também um ponto para tirar fotos, afinal a divulgação do evento e das empresas que o produziram também é importante. O backdrop tem essa função, já que é uma peça gráfica produzida especificamente como um “pano de fundo”.

Normalmente, são impressos em uma peça grande de lona que é estendida entre duas barras de apoio. Também pode ser em papel, afixado em placas móveis de madeira ou outro material e até mesmo sobre as paredes. Existe até a possibilidade de fazer o backdrop em tecido.

Os backdrops não são exclusivos aos eventos, podendo cumprir ainda com ações de comunicação interna ou promocionais. Para saber quando usar backdrop, é interessante começar tendo uma ideia sobre a comunicação visual que será passada, aplicando logotipo e artes relacionados à necessidade da empresa.

Veja agora algumas ideias sobre quando usar backdrop em sua comunicação.

Backdrop para eventos

Esse é um dos usos mais conhecidos para os backdrops. Eles devem ser personalizados com a identidade da empresa e parceiros envolvidos na produção ou objetivo do evento, sempre atrativos visualmente. Estão presentes em shows, congressos, formaturas, campanhas promocionais, etc.

O ponto para acertar nesse backdrop é conhecer bem o público-alvo desta comunicação. Como pode ser voltado para o público externo (clientes) de uma empresa, a identificação e interação deve ser bem estimulada, reforçando a importância do visual atrativo. Cuidados com as cores, fontes, ilustrações e outros elementos utilizados.

Backdrop para reuniões

A ideia de uso do backdrop aqui é mais institucional. Ele pode ser produzido de forma mais sóbria, seja para reuniões entre setores próprios da companhia ou então para encontros com fornecedores, clientes e parceiros.

Novamente, é importante incluir logotipos e levar em conta a identidade visual da empresa. Dependendo da forma em que for desenhado, tem o benefício de ser reutilizável. Tem função também para reuniões remotas, como explicado a seguir.

Backdrop para vídeos

O backdrop tem utilidade como fundo para vídeos, sejam eles reuniões remotas com imagem, aulas, treinamentos, vídeos institucionais, conteúdo para redes sociais, etc. Para ter um custo-benefício mais interessante, o ideal é fazer uma peça mais genérica dentro da identidade da empresa.

Backdrop para endomarketing

Endomarketing, caso você ainda não conheça, é o trabalho de ações e campanhas de marketing junto ao público interno de uma empresa: seus funcionários. Ele inclui a produção de eventos, treinamentos, ações beneficentes, programas de conscientização e de segurança do trabalho, etc.

O backdrop no endomarketing pode cumprir com todas essas estratégias, a exemplo dos eventos já citados aqui. No caso de campanhas de engajamento com o público, é legal incluir elementos atrativos para fotos em frente ao pano de fundo. Outra ideia é usar as #hashtags para incentivar postagens em redes sociais.

O design é indispensável nessa etapa de planejamento sobre como usar essa peça. Por via das dúvidas, sempre siga o manual de identidade visual da empresa para acertar. Agora que você sabe o que é backdrop e quando usá-lo, conheça os tipos de acabamento para materiais gráficos.

5 materiais gráficos para Assessoria de Imprensa

5 materiais gráficos para Assessoria de Imprensa

A assessoria de imprensa no ambiente corporativo tem papel estratégico e fundamental para manutenção da reputação e imagem de uma empresa.

A rotina de trabalho envolve atendimentos a veículos de comunicação, organização de publicações e apresentação de relatórios de resultados para ações que visam promover a marca e valores da empresa através da comunicação institucional, destacando-se não apenas pelo conteúdo, mas também pela apresentação visual.

Mesmo com algumas transformações tecnológicas que modificaram alguns procedimentos de funcionamento das assessorias, alguns materiais continuam servindo de apoio para o sucesso da divulgação de um conteúdo.

Conheça 5 exemplos de materiais gráficos para assessoria de imprensa que são essenciais para o trabalho de assessores.

Press Release

O press release é a principal ferramenta para divulgação das informações de uma empresa para jornalistas e demais influenciadores de opinião.

Trata-se de um texto enviado à veículos de comunicação que serve para anunciar novidades, lançamentos de produtos e reposicionamento de marcas, por exemplo.

Quando utilizado de forma correta, e direcionado para conquista da atenção do destinatário, o press release pode render pautas que se tornam publicidade gratuita para a empresa.

Além do conteúdo escrito, a personalização realizada através do design pode criar formatos inovadores e criativos para apresentação do conteúdo.

Clipping

Toda vez que uma marca ou empresa é mencionada em alguma mídia, assessores de imprensa reúnem as publicações em um clipping.

A clipagem fornecem informações preciosas para análises qualitativa e quantitativa do conteúdo publicado e permitem estabelecer métricas para apresentação de resultados, pesquisas de mercado e dados sobre o público alvo.

Geralmente apresentado a gestores em formato de relatório, é preciso fazer com que as pessoas se interesse pela leitura os dados sejam facilmente compreendidos.

Por isso, é preciso pensar o design desse tipo de material gráfico para assessoria de imprensa a fim de prender a atenção e demonstrar organização e coerência nas análises apresentadas em formato de gráficos e infográficos, tabelas e demais elementos visuais.

Crachás

Além de identificar a equipe para os demais setores da empresa, os crachás para assessoria de imprensa podem auxiliar quando a empresa recebe visitante ou organiza coletivas para imprensa.

Desta forma, a identificação de veículos e profissionais durante o credenciamento em eventos, por exemplo, garante o acesso a ambientes privilegiados e facilita a vida de assessores.

Publicações internas

As publicações de comunicação interna fazem parte das estratégias de endomarketing e criação de valor interno para empresa.

Jornais informativos e revistas institucionais são excelentes formas de divulgação, também para o público externo formado por consumidores, parceiros e sociedade em geral.

Desta forma, o design editorial tem grande relevância e deve ser trabalhado de acordo com a identidade visual da empresa.

Press kit

Os kits para imprensa ou press kits, são compostos por outros materiais gráficos como catálogos, cartões de visita, embalagens, publicações internas e etc.

Seu objetivo principal é fornecer um pacote que pode ser acompanhados por brindes personalizados e amostras de produtos para veículos e influenciadores.

Como todo material de divulgação, ele deve ser planejado para garantir que os valores da empresa estejam presentes em cada detalhe e transmitam as mensagens e valores da empresa.

Como você pode perceber, além dos cuidados na produção de conteúdos,aparência e a qualidade do design na criação de materiais gráficos para assessoria de imprensa são fundamentais para que a comunicação seja completa e efetiva.

Nós da BST Design temos soluções criativas para a criação de materiais gráficos e comunicação visual de empresas de todos os portes. Convidamos você a conhecer o nosso portfólio e saber como ajudamos nossos clientes a se comunicar com o mercado.

Conheça 4 atribuições da Assessoria de Imprensa

Conheça 4 atribuições da Assessoria de Imprensa

A comunicação de uma empresa, conhecida como comunicação institucional ou organizacional, é construída em diversas vertentes e a partir do trabalho de diferentes profissionais. Ter isso em mente ajuda a entender o que é e quais são as atribuições da assessoria de imprensa.

Composta por jornalistas e relações públicas, a assessoria é um braço da comunicação que conversa diretamente com a imprensa, porém não só com ela. Esse setor também pode ser responsável pela comunicação interna, alimentando canais de comunicação privados.

A assessoria de imprensa tem como maior desafio entregar informações sobre a empresa para jornalistas e veículos estratégicos, já que a presença na mídia traz relevância e autoridade para a companhia.

Conheça agora algumas das atribuições da assessoria de imprensa.

Planejamento

Os profissionais da assessoria são responsáveis por um planejamento de imprensa, cobrindo o ano todo, ou os semestres e outras divisões de períodos. Esse planejamento deve considerar a empresa, com seus lançamentos, ações, necessidades das diretorias, etc, e também as datas estratégicas da imprensa, considerando grandes eventos em que é muito mais difícil emplacar uma matéria.

Esse alinhamento ajuda a definir o que será trabalhado com releases, coletivas de imprensa, eventos, etc. Também ajuda os profissionais do setor a se organizarem e anteciparem novas pautas durante o ano. O planejamento também deve apresentar quando os resultados serão entregues através de apresentações ou relatórios.

Clipping

A clipagem é a documentação de todas citações sobre a empresa na mídia, seja impressa, em rádio, TV ou internet. Captar e guardar o clipping é importante para apresentar resultados das ações da assessoria de imprensa. Esse trabalho fica um pouco mais fácil com a contratação de uma empresa especializada para captação e envio do clipping.

Uma informação relevante para o relatório de clipping é o número de pessoas impactadas pelas publicações, o que pode ser medido por tiragens de jornais e revistas ou com o número de visitas nas páginas da internet.

Atendimento e relacionamento

O atendimento de jornalistas e o relacionamento com eles é o que mais toma tempo de uma assessoria de imprensa. Ele acontece por contato telefônico ou por e-mail, além de através de ações como o envio de press kits: um conjunto de materiais e brindes para apresentar uma novidade junto a imprensa.

Esse trabalho precisa de muita atenção e alinhamento também junto a própria companhia, já que em qualquer sinal de crise os jornalistas entrarão em contato rapidamente.

Outra tarefa de relacionamento é o follow up. Ele consiste no contato ativo e direto com os jornalistas certos, apresentando uma novidade através de release ou combinando entrevistas com porta-vozes da empresa.

Media training

Quando a empresa tem especialistas e pessoas com histórias relevantes, é possível oferecê-los como porta-vozes para a mídia. Mas antes disso, é necessário trabalhar um media training, o treinamento para apresentação e entrevistas. Esse trabalho da assessoria é mais pontual, mas não menos importante.

Tal treinamento é, inclusive, uma ótima forma de evitar crises por erros de comunicação. Com o crescimento das mídias sociais, executivos e outros profissionais estratégicos são também orientados sobre a melhor forma de se portar nas redes, já que são representantes da empresa.

Essas são algumas das atribuições da assessoria de imprensa, que está cada vez mais antenada às novidades e pensando em formas de conquistar um lugar para a empresa na mídia. Conheça também 5 materiais gráficos para a assessoria.