Qual é o melhor material para embalagem de alimentos?

Qual é o melhor material para embalagem de alimentos?

Além de serem atrativas e informativas, as embalagens de alimentos precisam respeitar padrões de material e de segurança, pensando em questões de conservação, logística, transporte e apresentação dos produtos. Mas afinal, dentro dessas definições, qual seria melhor material para embalagem de alimentos?

Outro ponto de observação nesse quesito são as regulamentações da Anvisa e de outros órgãos, especificando os materiais que podem fazer essa função e garantir segurança dos alimentos.

Felizmente, a escolha de rótulos e embalagens não é limitada: além da variedade em materiais, é possível trabalhar uma boa personalização e comunicação através do design de embalagem.

Nos próximos tópicos, entenda a importância de escolher o melhor material para embalagem de alimentos.

O que é segurança de alimentos?

A segurança de alimentos é uma preocupação geral entre indústrias, comércio, restaurantes e até nas casas. Ela engloba os cuidados necessários para evitar a contaminação por agentes químicos ou biológicos, além da proteção contra fatores físicos – o que ainda evita o desperdício.

Com a Lei nº 9.782/1999, ficou definida a criação e obrigação da Anvisa, agência regulamentadora de vigilância sanitária, com a função de controlar e fiscalizar os alimentos e suas embalagens.

Para a agência, todo material que faz contato direto com alimentos ou bebidas (nacionais ou importados) deve estar dentro dos padrões da vigilância sanitária, já que substâncias presentes nessa embalagem podem migrar para o produto a ser consumido.

Conheça agora alguns dos materiais para embalagem liberados pelas definições da Anvisa.

Qual é o melhor material para embalagem de alimentos?

Além de respeitar os padrões de segurança de alimentos, as embalagens podem se utilizar de diferentes materiais e a escolha deles depende do produto oferecido e como ele deve ser preservado e apresentado ao consumidor final.

As embalagens podem, então, ser fabricadas nos seguintes materiais:

• Metal

O aço e o alumínio são os metais mais comuns para uso de embalagens para alimentos, sendo encontrados como as “latinhas” de bebidas e conservas. Esse material se destaca pela praticidade de transporte e durabilidade. Outro ponto é que o metal é facilmente reciclável.

A diferença do aço é a sua maior capacidade de proteção, similar à do vidro, que também forma uma barreira contra a luz. Com o alumínio, a proteção ainda existe porém é inferior, principalmente pela espessura e maior sensibilidade a impactos.

• Vidro

Com grande capacidade de proteção, o vidro é uma das opções mais antigas utilizadas para embalagem e armazenamento de alimentos. Também reciclável e reutilizável, o material é impermeável (quando bem vedado) e inerte, o que não altera o produto contido.

Para armazenar líquidos ou outros produtos sensíveis à luz, o ideal é usar um vidro escuro, entre marrom e esverdeado. Um problema com esse material é que, quando transportado ou manuseado incorretamente, é mais vulnerável a quebrar.

• Plásticos

Os materiais plásticos são versáteis e maleáveis, podendo adquirir a forma desejada pelo fabricante, sendo os preferidos para embalagens de alimentos diversos. Também são leves e podem ser reciclados ou reutilizados. Dois tipos de plástico são os mais usados para essa finalidade: o PET e o BOPP.

O PET é mais conhecido, por ser utilizado em garrafas, enquanto o BOPP também é popular por embalar doces e salgadinhos. Outro formato que aplica o plástico são os sachês individuais de molhos e condimentos. Como os sachês, existem também as embalagens flexíveis em formato de sacos, como um saco de feijão, ou em ‘stand up pouch’, aqueles saquinhos que ficam em pé nas prateleiras expositoras, muito usados em lançamento de produtos por trazer bastante visibilidade ao produto.

• Papel e papelão

Apesar de baratos e de fácil produção, os materiais celulósicos (definição da própria Anvisa) não ganham pontos no quesito proteção física, uma vez que eles amassam e rasgam com maior facilidade. Porém, são bastante utilizados para produtos não perecíveis ou como segunda embalagem, e tem o benefício da reciclagem. O papel e o papelão são muito usados em hortifrutis, em substituição aos caixotes de madeira, e como cartonagem, em embalagens promocionais para latinhas de cerveja, por exemplo.

• Isopor

Material leve, é destacado pela sua capacidade de isolamento térmico necessária para armazenar e transportar alimentos frescos. Por ser um tipo de plástico, não é decomposto na natureza, o que demanda um descarte correto e sua posterior reciclagem.

Agora que você sabe qual é o melhor material para embalagem de alimentos, saiba como aplicar o design nos rótulos dos produtos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *